Três trabalhadores portuários morrem em porão de navio em Aracruz

Tragédia aconteceu na manhã desta terça-feira no Portocel, da Aracruz Celulose (Fibria)

O Sindicato Unificado da Orla Portuária (Suport-ES), que representa os trabalhadores avulsos e vinculados à Portocel, por meio de comunicado público, lamentou a morte dos portuários ocorrida no início da tarde desta terça-feira (24), após inalarem um gás tóxico no porão de um navio atracado no terminal, que pertence à Aracruz Celulose (Fibria).

A entidade confirmou a morte de três trabalhadores: Adenilson Rodrigues de Carvalho, 47 anos, trabalhador portuário avulso, diretor do sindicato (suplente da diretoria executiva), que estava numa atividade multifuncional de estiva em Portocel; Clovis Lira da Silva, 56 anos, trabalhador portuário avulso, arrumador; e Luiz Carlos Milagres, 64 anos, trabalhador portuário avulso, estivador. Somente o estivador Vitor Souza Olmo, apesar de também ter inalado o gás, conseguiu sobreviver e está no hospital, em estado estável.

Segundo a assessoria de comunicação do Suport-ES, um dos portuários teria descido o porão do navio Sepetiba Bay, de barcaça de madeira, mas, ao inalar o gás tóxico, desmaiou e chegou a cair da escada. Os outros colegas foram tentar socorrê-lo, mas acabaram inalando o gás e desmaiando também. O Corpo de Bombeiros socorreu as vítimas, que foram levadas para o Hospital São Camilo, em Aracruz, mas não resistiram.

O presidente do Suport-ES, Ernani Pereira Pinto, lamenta o fato e está cobrando as providências para que as investigações apontem as causas do acidente. “Essa tragédia mostra a necessidade de se ampliar o leque de segurança no terminal, principalmente em porão de navio, um espaço confinado, cumprindo à risca a Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho Portuário (NR-29)”.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Quilombolas reafirmam proibição de venda de terras dentro de retomadas

Objetivo é possibilitar que as famílias sobrevivam da terra. Vendas irregulares estão sob investigação

'Os projetos econômicos perderam sua identificação com o Estado'

Arlindo Villaschi, professor e economista, fala da importância de se debater o atual cenário capixaba