Inscrições abertas para curso destinado a mulheres vítimas de violência em VV

Objetivo é ensinar educação financeira, além de disponibilizar atendimentos psicossociais

Estão abertas até o próximo dia sete as inscrições para a turma do projeto “Mulher Superando o Medo” no bairro Terra Vermelha, em Vila Velha. A iniciativa tem como público-alvo mulheres vítimas de violência doméstica. O objetivo é oferecer curso de educação financeira, além de disponibilizar atendimentos psicossociais, fazer levantamento das demandas psicológicas e encaminhamento para o Centro de Atendimento à Vida (Cav) e para o Centro de Referência Especializado em Atendimento à Mulher Vítima de Violência em Vila Velha (Cranvive). 

As inscrições podem ser feitas pelo site www.institutowin.com.br/mulher ou pelo e-mail projetos@institutowin.com.br. A primeira turma foi concluída no dia 20 de fevereiro, na Assembleia de Deus de São Torquato. A outra começou nessa segunda-feira (2) e a próxima, em Terra Vermelha, terá início no próximo sábado (7).  As aulas, semanais, acontecerão sempre aos sábados, nos dias sete, 14, 21 e 28 de março e quatro de abril, sempre das 8h às 12h

As alunas receberão capacitação em educação financeira com ênfase no aumento da renda e terão o direito de uso de um aplicativo para orientação. Elas receberão mensagens motivadoras, além de terem acesso ao controle das finanças de forma prática. O app inclui, ainda, o botão do Disque-180, caso precisem fazer alguma denúncia, além de dicas de combate à violência. Entre os assuntos abordados ao longo do curso estão prevenção e combate à violência, apresentação dos serviços da rede pública de saúde, TPM (Treinamento de Inteligência Emocional), conceitos básicos de finanças, controles financeiros, introdução ao empreendedorismo, marketing pessoal, como elaborar um curriculum e atendimentos psicossociais.

O curso busca contribuir para a autonomia financeira da mulher que sofre violência doméstica. Segundo o Observatório Brasileiro de Segurança Pública, em 2019, 33 mulheres foram assassinadas no Espírito Santo. A maioria pelos próprios maridos (33%) ou companheiros (21%). 

Justiça pela Paz em Casa

O projeto "Mulher Superando o Medo" foi lançado durante a abertura da 15ª Semana Nacional Justiça pela Paz em Casa, em novembro de 2019. A ideia é da economista Isabel Berlinck, com a realização do Instituto de Inovação Win e apoio institucional do Tribunal de Justiça do Estado (TJES), por meio da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Comvides). 

A iniciativa possui apoio financeiro da Fundação Rotária, dos distritos 4751 e 3522 do Rotary Internacional, Rotary Club Vitória Mata da Praia, Rotary Club Taipei_Taiwan, Rotary Club Vila Velha Praia da Costa e Rotary Club Ituzaingo Maroñas Uruguai. Foi firmado também um termo de cooperação com a Prefeitura de Vila Velha. 

Segundo o secretário executivo do Rotary Club Mata da Praia, Antônio Lacourt, o "Mulher Superando o Medo" promete transformar vidas. “Nós esperamos abrir a mente dessas mulheres para receber o novo, que é a educação financeira, para mostrar que, sabendo administrar o pouco recurso que elas têm oriundos de suas atividades, elas vão conseguir sair desse ciclo de violência. Com isso, buscaremos também mais pessoas para se associarem ao Rotary Club e participarem de ações sociais semelhantes a esta. Nossa missão é conectar o mundo e abrir oportunidades”, disse Lacourt. 

A juíza da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do TJES, Hermínia Maria Azoury, enfatizou a importância da parceria. “A nossa luta é incentivar mulheres. A presença de projetos como esse traz um upgrade para a vida pessoal e profissional de mulheres que sofrem com a violência doméstica. Muitas delas são dependentes dos algozes e ficam na inércia, sem se posicionarem por conta desta dependência afetiva e econômica dos provedores”, ressalta a juíza.

De acordo com a prefeitura, a parceria com diversas instituições, especialmente com o TJES, é importante. “A Constituição Federal estabelece que a política pública de assistência social tem de ser centrada na família. Sem proteção social não há proteção policial. Vila Velha está se alistando neste movimento em defesa das mulheres”, afirmou o prefeito Max Filho (PSDB).

O projeto oferece tradução em Libras para mulheres surdas e conta com voluntários da área de recreação, que ficarão com os filhos das participantes durante as aulas, no mesmo local.

Mais informações pelos telefones (27) 99730-3300 e (27) 98115-5324. 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Saraus apresentam escritoras mulheres e artistas latino-americanos

Em Vitória acontece o Sarau Segundo Sexo e em Cachoeiro de Itapemirim o Sarau Verbo Intransitivo

Mulheres soltam a voz em atividades culturais no Parque Moscoso

No Dia Internacional da Mulher, evento reuniu gerações para debater o patriarcado, a violência e o corpo

Tunico da Vila lança novo disco de samba

Na coluna: novo clipe de Dan Abranches, reforma do Carlos Gomes, mulheres no cinema, música e literatura

Mulheres pedem 'basta à violência' e 'fora Bolsonaro' em protesto na Capital

Marcha alertou sobre altos índices de feminicídio e a política misógina e de retrocesso do governo federal