Majeski propõe revogar lei que favorece expansão do deserto verde

Proposta começou a tramitar na Assembleia nessa segunda-feira e se opõe à lei do governo Hartung

A expansão do deserto verde no Espírito Santo precisa ser interrompida. Com esse objetivo, o deputado Sergio Majeski (PSB) apresentou o Projeto de Lei (PL) nº 646/2019, que começou a tramitar na Assembleia Legislativa nessa segunda-feira (12) e será analisado pelas comissões de Justiça, Meio Ambiente e Finanças.

A proposta visa revogar a Lei nº 10423/2015, que favorece o plantio de eucaliptos no Estado por grandes empresas e proprietários rurais. Proposta pelo governador Paulo Hartung e sancionada com o voto contrário de Majeski, a Lei 10.423/2015 desobriga a elaboração do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e do Relatório de Impacto Ambiental (Rima) para plantios em propriedades com até 1000 hectares de área. A elaboração do EIA-Rirma é uma das etapas do licenciamento ambiental de empreendimentos.

“Na época da aprovação dessa lei fui voto vencido. Agora queremos corrigir um retrocesso ambiental para devolver à legislação regras que garantam maiores controle e segurança dos plantios comerciais”, explicou o parlamentar.

O PL 646/2019 revoga a Lei 10.423/2015 e reinsere incisos na Lei 4.701/1992, estabelecendo, dentre outras obrigações, a elaboração de EIA-Rima para atividades de exploração de recursos florestais em propriedades com mais de 100 hectares.

A proposta aborda também projetos de agricultura, pecuária, suinocultura ou hortifrutigranjeiros. A reinserção do inciso XVII na lei estabelece a elaboração do EIA-Rima em empreendimentos que contemplem área acima de 300 ha ou menores, quando se tratar de áreas significativas em termos percentuais ou de importância do ponto de vista ambiental.

EIA-Rima

São documentos que têm como objetivo avaliar os impactos ambientais decorrentes da instalação de um empreendimento potencialmente causador de degradação do meio ambiente, estabelecendo programas para monitoramento e mitigação desses impactos.

O EIA é o conjunto de estudos realizados por especialistas de diversas áreas, com dados técnicos detalhados. O acesso a ele é restrito, em respeito ao sigilo industrial. Já o Rima é um documento público que confere transparência ao EIA, um resumo em linguagem didática, clara e objetiva, para que qualquer interessado tenha acesso à informação e exerça controle social. Assim, as informações devem ser traduzidas em linguagem acessível, ilustradas por mapas, cartas, quadros, gráficos e demais técnicas de comunicação visual, de modo que se possam entender as vantagens e desvantagens do projeto, bem como todas as consequências ambientais de sua implementação.

Tudo dominado

O poderio da Aracruz Celulose (Fibria/Suzano) no Espírito Santo não escolhe gestor. Se Hartung propôs e aprovou a lei que desobriga EIA-Rima para plantios acima de até mil hectares, Renato Casagrande, no primeiro semestre da sua atuação, propôs e aprovou lei que modifica a norma até então em vigor - Lei 7.000/2001, que dispõe sobre o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) - introduzindo dispositivos para a transferência de créditos acumulados decorrentes de operações e prestação que destinem ao exterior mercadorias, inclusive produtos primários e industrializados.

Informações da Assembleia apontam que o projeto visa beneficiar diretamente a Aracruz Celulose (Fibria/Suzano). “É uma compensação dos créditos para a empresa que já paga ICMS através da Lei Kandir [lei que isenta o pagamento de ICMS sobre as exportações de produtos e serviços]. O Estado está fazendo essa compensação para a empresa Fibria. No caso, ela vai fazer outra obra agora com esses créditos compensados”, defendeu o vice-líder do governo, Dary Pagung (PSB).

Apesar das evidências do empobrecimento do campo à medida que aumentam as áreas de deserto verde, o presidente da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), Léo de Castro, fez um apelo na última semana, para que o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf) licencie o plantio de 5,1 mil hectares de eucalipto em Conceição da Barra, município que, segundo estimativas dos movimentos sociais do campo atantes na região, tem cerca de 80% de sua área agricultável já ocupada com a monocultura exótica, fato que exterminou milhares de corpos d'água, entre nascentes, córregos e lagoas.

Resistência

Há, por outro lado, leis municipais que impedem o aumento das monoculturas de eucalipto em municípios do norte e noroeste do Estado. Leis que são contestadas na Justiça pela multinacional.

Em janeiro de 2018, a Justiça Estadual declarou ilegal o Programa Fomento Florestal II da multinacional, após 16 anos de tramitação de uma ação popular requerendo a ilegalidade do programa.

A decisão é do juiz Julio Cesar Costa de Oliveira, da 3ª Vara da Fazenda Pública Estadual, Municipal, Registros Públicos, Meio Ambiente e Saúde de Vitória, que declarou a nulidade da Licença de Operação (LO) nº 001/2000, emitida pelo Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf), autorizando a implantação do Fomento II, sem a exigência de apresentação prévia de Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (EIA-Rima).

Em sua sentença, o juiz ressalta que chamou atenção o fato de, para a emissão da LO, a empresa ter apresentado apenas descrições genéricas dos impactos dos empreendimento, não havendo dados específicos “por bacias e micro-bacias hidrográficas, e sem considerar os Meios Físicos, Biológicos e Socioeconômicos”.

Assim, afirma o juiz, levando-se em conta a dimensão do programa de Fomento Florestal II, “pode-se afirmar que o ideal seria que os impactos ambientais, bem como as medidas mitigadoras e/ou compensatórias com vistas à sua implantação, estivessem prévia e especificamente definidos, antes mesmo da obtenção da licença de operação. Afinal, tratando-se de danos ao meio ambiente, a irreversibilidade é a marca que lhes acompanha”.
 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Captura de carbono com monocultura não resolve questões socioambientais, diz MPA

Para Valmir Noventa, restauração da floresta nativa deve ser prioridade do clima no ES

Restauração florestal gera cerca de 200 empregos diretos a cada mil hectares

Espírito Santo tem 2 milhões de hectares de monocultivos de pasto, em grande parte degradado, e eucalipto

Incêndio em área da Suzano se alastra até Terra Indígena

Moradores da Aldeia Pau Brasil combateram o fogo, que foi controlado por equipe da empresa

Fim das Reservas Legais transformaria o Espírito Santo em um deserto

98% da mata nativa estão em terras particulares. Crescimento do eucalipto foi 60% maior que o florestal