Polícia desocupa novamente acampamento sem-terra na Fazenda Itaúnas

Trezentas famílias viviam e plantavam no local que ficou abandonado depois da falência da empresa Disa

Com um grande operativo policial, famílias sem-terra foram retiradas do Acampamento Fidel Castro, na Fazenda Itaúnas, em Conceição da Barra, norte do Espírito Santo. O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) considerou a ação agressiva e desnecessária, mas não houve incidentes.

As forças policiais chegaram na manhã desta terça-feira (9), embora desde a noite anterior, mais de 90% dos sem-terra já haviam deixado o local. As imagens registradas no local mostram um trator destruindo os barracos que serviram de moradia para as famílias nos últimos meses.

A área, localizada no distrito de Cobraice, foi ocupada pela primeira vez em outubro de 2016 por ex-funcionários da Destilaria Itaúnas S/A (Disa), que perderam seus empregos sem receber os direitos trabalhistas após a falência da empresa.

Contando com apoio do MST, passou a produzir grande variedade de alimentos durante sete meses, até sofrer um despejo violento que destruiu casas e 50 hectares de lavouras.


Sem soluções para a falta de terra para plantio no norte do Estado, que não tem novas famílias assentadas desde 2011, o movimento voltou a ocupar a área em fevereiro deste ano. Antes da reintegração de posse, cerca de 300 famílias viviam no acampamento. Nova decisão de judicial foi expedida em agosto, pela juíza Silvia Fonseca Silva, conforme acompanhou o Século Diário

1 Comentários
  • Salzino Guedes , terça, 09 de outubro de 2018

    Uai, não entendi, a mais de 20 anos os governos não assentou nem uma família no ES? So o PT ficou no governo quase 14 anos, se eu não me engana e o PT que sempre defendeu a reforma agrária. Vai entenderrrrrrr

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.
Matérias Relacionadas

Casagrande anuncia secretários de Planejamento e da Fazenda

Álvaro Duboc e Rogélio Pegoretti Caetano assumirão as respectivas pastas no próximo governo