Delegacia de Iconha está em condições precárias

A denúncia é do Sindipol, que enviou equipe de inspeção à cidade

A delegacia de polícia de Iconha, sul do Estado, não tem materiais básicos de trabalho e está com a sua estrutura sem as condições mínimas para o seu funcionamento. Este é o estado da unidade, segundo relato do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES).

A situação foi constatada pela diretoria da entidade, durante inspeção. Localizada em um imóvel residencial alugado pelo Estado por R$ 3 mil/mês, a delegacia conta com apenas dois investigadores, um delegado e um escrivão que está de licença médica. É um policial civil para cada 3, 4 mil habitantes, que também são responsáveis pelos 139 inquéritos que tramitam na delegacia.

A unidade ainda conta com uma viatura descaracterizada, que está em péssimas condições.

“A ausência do poder executivo diante do estado de calamidade da unidade de Iconha é absurda e inaceitável. Os policiais não podem permanecer em um local onde já tiveram três alagamentos e que coloca constantemente em risco suas vidas”, disse o presidente do Sindipol/ES, Jorge Emílio Leal.

Em maio, a DP foi atingida pela terceira vez por uma enchente e foi completamente tomada pela lama que destruiu móveis, geladeira, os materiais guardados no cofre e os apreendidos. A delegacia ficou dias sem atender a população. 

Após essas constantes enchentes na DP que causaram transtornos aos policiais e a população, o delegado titular da unidade encaminhou um ofício ao prefeito da cidade, João Paganini (PDT), solicitando a transferência da delegacia para um novo local.

O Sindipol/ES encaminhou mais um ofício às autoridades competentes solicitando urgência ao poder público para a transferência da delegacia.

“Tendo em vista as péssimas condições estruturais da unidade, nós encaminhamos mais uma vez um ofício ao poder executivo e solicitamos urgência para que a delegacia seja realocada o mais rápido possível”, concluiu o presidente do sindicato.

Leia Também:

0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.