Deputados apontam massacre à população de baixa renda com reforma da Previdência

O deputado Helder Salomão e a deputada estadual Iriny Lopes afirmam que privilégios serão mantidos

A reforma da Previdência, aprovada na Câmara dos Deputados nessa quarta-feira (7), é considerada pelo deputado federal Helder Salomão e a deputada estadual Iriny Lopes, filiados ao PT, um crime social bárbaro e um massacre direcionado à população de baixa renda. 

O parlamentar prevê que a classe média e os pobres vão sentir as perdas e quem irá ganhar serão os bancos e os setores empresariais de grande porte. “Na economia, será reduzido o poder de compra e haverá mais recessão e desemprego”, assinala Helder. 

Em sua opinião, a aprovação foi possível porque o governo colocou R$ 40 milhões de recursos públicos a mais, nos próximos quatro anos, em emendas parlamentares para cada deputado. “Creio que a única forma de barrar a proposta é a movimentação das ruas, como as que acontecerão agora no mês de agosto”.

“Muito ruim e não combate privilégios, que permanecem nos poderes Legislativo, Executivo e entre os militares”, opina Helder Salomão, seguido de Iriny Lopes, que pontua: “Foram mantidos os privilégios do  Legislativo, de parte do Executivo e a integralidade para os militares”.

O texto aprovado, para Helder, “penaliza duramente quem ganha até dois salários mínimos e os professores, que perderam o direito à aposentadoria especial, que é uma conquista histórica”. 

O parlamentar cita também perdas para os trabalhadores rurais e destaca a pensão por morte e os que recebem Benefício de Prestação Continuada (BPC), que poderão ter os ganhos reduzidos a um quarto do salário mínimo. 

“Se as regras aprovadas na Câmara já estivessem em vigor 57% dos homens não estariam aposentados, de acordo com estudo da professora Denise Gentil, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (URFJ)”, afirma Helder Salomão. Acrescenta que entre os trabalhadores de áreas com maior rotatividade, como construção civil, vigilância, limpeza, comércio, será uma tragédia e só poderão se aposentar aos 77 anos. 

Por seu lado, a deputada Iriny Lopes é taxativa: “Os únicos que são penalizados são categorias como a dos professores, os trabalhadores da limpeza, os terceirizados, então é quase impossível a pessoa se aposentar porque a legislação prevê que os recolhimentos sejam feitos regularmente”. 

“Eu quero saber qual o brasileiro que fica no emprego o tempo todo, sem experimentar desemprego, sem passar por um período de troca de empresa?”, questiona Iriny Lopes “E esse período não conta, pois cada vez em que ele estiver desempregado terá seus direitos suspensos”. 

Os deputados do PT realizaram um seminário em abril deste ano, na Assembleia, para debater a reforma da Previdência, quando ouviram representantes de categorias de trabalhadores do País.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • arnaldo , quinta, 08 de agosto de 2019

    O mais incrível e impressionante, é a hipocrisia dessa gente...ora, destruíram o país por mais de uma década! Temos uma das piores educações do mundo...as principais indústrias brasileiras quebradas, vilipendiadas pela quadrilha petista...mais de uma dezena de milhões de desempregados, a cúpula da quadrilha travestida em partido político toda presa (ainda faltam alguns!), enfim, acabaram com o país de tanto que roubaram, onde da miséria só tiraram seus políticos e filhos de alguns, e agora vêm com essa conversinha fiada!...O SACRIFÍCIO QUE VAMOS PASSAR AGORA COM ESSA REFORMA, É DE ABSOLUTA RESPONSABILIDADE DESSA QUADRILHA QUE (DES)GOVERNOU O PAÍS POR 15 ANOS E QUE ALGUNS AINDA CHAMAM DE POLÍTICOS...Cara de pau não tem limite...

Matérias Relacionadas

Coletivo Dona Astrogilda fortalece movimento feminista em Aracruz

Várias atividades marcam primeiro aniversário do grupo, que será comemorado com debate na Câmara

Maioria dos capixabas no Congresso vota a favor da reforma da Previdência 

A proposta foi aprovada nesta terça-feira no Senado, com voto contrário apenas de Fabiano Contarato

No Dia do Professor, Assembleia Legislativa pode aprovar 'Lei da Mordaça'

Entidades convocam mobilização urgente contra projeto de Vandinho que afeta liberdade dos docentes

Emendas na reforma da Previdência favorecem trabalhadores de áreas de risco

O senador Paulo Paim (PT-RS) assumiu compromisso com entidades capixabas do Fórum Direito Sindical