Contarato e Do Val tiram Ricardo e Magno do Senado

Os novatos começaram a derrubar a reeleição dos dois senadores a partir de setembro

Estreantes na política, o delegado Fabiano Contarato (Rede) e o instrutor de segurança Marcos do Val (PSB) são os vencedores da disputa ao Senado no Espírito Santo, superando os candidatos à reeleição Magno Malta (PR) e Ricardo Ferraço (PSDB).

Às 19h10 deste domingo, com 98% dos votos apurados, Fabiano Contarato aparecia com 31,08%, com mais de 1 milhão de votos, seguido de Marcos do Val, com 23,97%, marcando 830, 5 mil votos.

Magno Malta perdeu a vaga, com 17,10% (592, 4 mil) dos votos, assim como Ricardo Ferraço, que ficou em quarto lugar, com 13,43% (465 mil) votos, seguido do Subtenente Assis (PSL), 6,94% (240, 5 mil), Ulisses Pincelli (Novo), 1% (36,5 mil); Liu Katrine (Psol), com 0,69% (24 mil), Helder Carnielli (PTB), com 0,64% (22,2 mil), Rogerio Bernardo (PMB), com 0,26% (9 mil), e Mauro Ribeiro (PCB), com 0,23% (8 mil).

Os dois vencedores começaram a ganhar terreno em meados de setembro, estimulados pela composição de forças políticas, principalmente pela onda de mudança e que favorece candidatos relacionados à área de segurança pública. Marcos do Val se tornou conhecido por ter sido instrutor da força policial norte-americana Swatt e Contarato como delegado de Trânsito, onde conduziu uma gestão inovadora.

Os senadores derrotados tiveram a imagem desgastada por posições equivocadas, entre elas o voto favorável à reforma trabalhista e outros projetos apontados como prejudiciais à classe trabalhadora. Contra Ricardo Ferraço, pesa ainda sua ligação com o empresariado e distanciamento das camadas mais pobres da população.

Já Magno Malta, que se tornou conhecido pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Maus Tratos, com a marca de defensor da família e líder na luta contra as drogas, teve a imagem desgastada por conta de abusos cometidos em apurações de casos policiais, sem respeito aos direitos humanos, o que gerou críticas de diversas entidades e instituições. A derrota do senador faz o caminho inverso do que tem acontecido no  País com os candidatos ligados ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

Leia Também:

3 Comentários
  • magno pires da silva , segunda, 08 de outubro de 2018

    Os eleitores capixabas realizaram uma mudança importante e significativa para o Estado do Espírito Santo, pena que trocaram 6(seis) por meia dúzia. Sem dúvida o voto útil funcionou muito bem para a eleição do senado. O mote de que "...para renovar o ESpirito Santo e o Brasil tem que renovar o senado", utilizado pelo candidato Marcos Do Val, que apareceu para o povo capixaba como um "rambo" "homem da swat" e o lema utilizado pelo Fabiano Contarato, de que "...temos que nos livrar da velha política", sem dúvida calaram fundo na mente e no coração do eleitorado, que estava insatisfeito com o Ricardo Ferraço, que virou o Senador dos Ricos, o senador dos empresários, do Espirito em Ação, que se distanciou do povo trabalhador capixaba porque votou a favor da perda de direitos dos trabalhadores e cansado do "populismo oportunista e reacionário do senador Ricardo Ferraço, que pregava uma coisa com sua "oratória envolvente" mas realizava outras em sua prática política populista e demagógica, em alguns fatos relatados pela "mídia" com graves agressões aos direitos humanos e invasiva a privacidade das pessoas".O POVO CANSOU DELES E DEU O TROCO. Mas não há o que esperar muito de um "delegado de polícia,de ideologia controversa e sem experiencia política" e de um agente da "swat, um rambo" perito em armas e pretenso "autodenominado, "autoridade" em segurança pública, que se apresentava vestido de "agente policial da tropa de elite" para depois se desvestir e aparecer de terno e gravata" prometendo realizar e executar ações na área de segurança, como se fosse candidato a governador e/ou a presidente, que demonstrou desconhecer o papel e a responsabilidade de um senador da república. Queira Deus, que possam fazer um bom mandato a serviço do povo capixaba e dos interesses e das causas do desenvolvimento do Estado do Espirito Santo junto a União. Lamento que o Jornal Século Diário tenha omitido nesta matéria acima a votação e a posição da candidata CÉLIA TAVARES, do PT, que a meu ver teve um excelente desempenho, como candidata mulher e pela primeira vez candidata a um cargo da importancia legislativa que tem o senado federal, que realizou uma campanha propostiva, séria e honrada.

  • Jiuvaldo Lucas magalhães , segunda, 08 de outubro de 2018

    Realmente eu que leio a sate da revista diariamente esqueceu da candidata que realmente ia representar o povo capixaba no congresso nacional se quer foi citada.

  • MAGNO PIRES DA SILVA , terça, 09 de outubro de 2018

    APESAR DOS COMENTÁRIOS ACIMA CONFIRMANDO QUE HOUVE UM "ESQUECIMENTO GROTESCO" DA MATERIA ACIMA DO NOSSO QUERIDO SÉCULO DIÁRIO, QUE NEM SIQUER SE REFERIU A CANDIDATA DO PT - CÉLIA TAVARES 131, QUE A MEU VER ERA A UNICA CANDIDATURA COM COMPETENCIA E CAPACIDADE INTELECTUAL DE REPRESENTAR HONRADAMENTE O ESTADO DO ESPIRITO SANTO NO SENADO FEDERAL, AINDA NÃO VI, UMA "MEA CULPA" OU UMA "RETIFICAÇÃO" DA EDITORIA DO JORNAL E/OU DO JORNALISTA QUE ASSINA A MATÉRIA. LAMENTÁVEL! AGUARDO A RETIFICAÇÃO.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.
Matérias Relacionadas

Valorizou o passe

Luciano Rezende diz que fez “barba, cabelo e bigode” nas eleições. Há controvérsias...

Novas bancadas legislativas preocupam defensores dos direitos humanos no Estado

Alguns eleitos, como Marcos Do Val, defendem a prisão perpétua; outros a castração química

Momento político: eleições 2018

Os analistas de Século Diário, Rogério Medeiros e Roberto Junquilho, avaliam os resultados do pleito

Sérgio Vidigal perde densidade eleitoral no Estado

Vidigal se reelegeu, mas não conseguiu êxito com aliados, inclusive sua mulher, Sueli