Contarato pede suspensão de decisão de Toffoli que beneficia Flávio Bolsonaro

Contarato acha que decisão de Dias Toffoli pode gerar mais impunidade para crime de lavagem de dinheiro

O senador Fabiano Contarato (Rede) entrou, nesta segunda-feira (22), com uma petição no Supremo Tribunal Federal (STF) requerendo a suspensão da decisão do presidente da instituição, Dias Toffoli, divulgada na última terça-feira (16), que suspendeu processos judiciais em que dados de investigados tenham sido compartilhados por órgãos de controle sem autorização prévia do Poder Judiciário.

O ato do presidente do STF, adotado na semana passada, vem provocando polêmicas generalizadas em várias áreas por beneficiar diretamente, entre outros, o senador Flávio Bolsonaro (PSL), filho do presidente da República, investigado por suspeita de corrupção em processo que envolve o ex-policial Fabrício Queiróz, que tem se negado a cumprir convocação do Ministério Público para prestar depoimento. 

A suspensão do processo foi dada em atendimento a pedido da defesa do senador Flavio Bolsonaro, denunciado por movimentações financeiras suspeitas, quando era deputado estadual no Rio de Janeiro, que alcança o clã Bolsonaro, incluindo a mulher  do presidente, Michele, que teve R$ 24 mil depositados em sua conta bancária pelo ex-policial Queiróz. 

As investigações foram iniciadas a partir de informações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).  Com a decisão de Toffoli, estão suspensas todas as investigações no Brasil que envolvam o compartilhamento de informações desse órgão para investigações de crimes como os de lavagem de dinheiro.

O senador Fabiano Contarato formalizou o pedido como advogado em uma Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF), proposta pelo seu partido, Rede, questionando a decisão do STF que beneficia investigados em crimes de lavagem de dinheiro. O senador Contarato compreende que "havendo indícios de lavagem de dinheiro, a comunicação entre órgãos de investigação não significa violação dos direitos do investigado. Representa, tão somente, a transferência do sigilo entre órgãos do Estado. Não é a quebra ou a abertura do sigilo propriamente”, explicou. 

Segundo Contarato, os direitos fundamentais e a legalidade permanecem observados e as investigações podem caminhar com a eficiência que é de interesse público. Ao demorar no processo de investigação e na comprovação de crimes, o Estado peca porque vai procrastinando a sua ação e dando aos malfeitores a certeza de que poderão ficar muito tempo livres ou até passar a vida impunes.

“No Brasil que queremos a nova política exige que, comenta Contarato, quem participa de crimes como o de lavagem de dinheiro deve ter a certeza de que vai ser punido. Não se coloca em questão aqui a confidencialidade de dados, mas a capacidade do Estado de ser eficiente e, realmente, de romper com a velha política. É preciso recuperar a dignidade e a confiança da população nas instituições públicas. A decisão da semana passada é um atraso. Queremos corrigir isso".

Contarato lembra que, na discussão da reforma administrativa, defendeu que o Coaf ficasse no Ministério da Justiça e não no Ministério da Economia, como é atualmente. "O objetivo de o Coaf ficar no Ministério da Justiça era, justamente, para tornar a ação do Estado mais eficiente nas investigações. Não foi possível ficar no Ministério da Justiça, mas está dentro da estrutura administrativa da União”.  
 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • ILDEBRANDO , quinta, 25 de julho de 2019

    Bom senso. Eu entendo que a vida de um parlamentar é fiscalizar os atos do executivo, criar leis e votar projeto de leis enviados do executivo. No caso em questão é defesa da Constituição e respeito aos cidadãos. Parabenizo o senador por defender o não neopotismo.

Matérias Relacionadas

Privatização do saneamento é muito ruim para a população, adverte Sindaema

Sindicato dialoga com comissão presidida por Contarato para barrar o PL, que será votado após o Carnaval

Secretário de Administração de Barra de São Francisco é preso por corrupção

A Prefeitura divulgou uma nota nesta quinta à população sobre os fatos envolvendo Paulinho da Ótica

Fabiano Contarato se reúne com Casagrande sobre óleo no mar

Diligência ao ES foi aprovada pela Comissão Temporária Externa do Senado que acompanha o caso no país

Contarato cobra informações sobre TCA da Vale ao Estado e Ministérios Públicos

Na Ales, Juntos SOS requer Grupo de Trabalho e TAC para redução da poluição do ar da Vale e ArcelorMittal