Corda bamba

Apontado há meses como o principal concorrente em potencial de Casagrande, Audifax vê seu projeto ruir

Apontado há meses como o principal concorrente em potencial do governador Renato Casagrande na sucessão ao Palácio Anchieta em 2022, o prefeito da Serra, Audifax Barcelos (Rede), vê seu projeto político ruir, principalmente após a grave crise instalada com a Câmara de Vereadores. Alvo de investigações e denúncias que arranham sua imagem e colocam em xeque a gestão municipal, o prefeito tem perdido os apoios que orbitavam em torno do seu nome, como já comentam lideranças nos bastidores. A previsão é de debandada, o que ameaça a consolidação do seu capital eleitoral até lá. A guerra entre os dois poderes se soma às dificuldades impostas ao prefeito antes, como eleger um aliado no próximo ano para o comando do município, uma tarefa árdua diante do cenário atual, e se manter em evidência por mais dois anos, espaço de tempo entre as eleições de 2020 e a do governo do Estado. Além da questão partidária, já que a idealizadora da Rede, Marina Silva, resolveu assumir “carreira solo” e rejeitou a fusão com o PPS, o que significa falta de recursos públicos e de acesso às propagandas na TV e no rádio (o partido não superou a cláusula de barreira em 2018). Enquanto a situação complica para Audifax, outras lideranças abrem as asas e se movimentam para alçar voos. Mais pra frente, se confirmada a queda livre do prefeito, as peças do tabuleiro mudam. Quem será capaz de assumir essa posição?  

Ex-padrinho
Uma das perdas entre os aliados seria, inclusive, o ex-governador Paulo Hartung, que lançou Audifax ao governo no final de seu mandato, e vinha o estimulando a se firmar no projeto para tentar tirar de cena, mais uma vez, seu principal adversário, Casagrande. Hartung sempre correu desses casos envolvendo aliados, para evitar levar respingos. 

Bonde lotado
O primeiro teste oficial do prefeito da Serra já começou e se trata da articulação para a disputa de 2020. Enquanto Casagrande coloca gás no seu secretário de Trabalho, Assistência e Desenvolvimento Social, Bruno Lamas (PSB), Audifax tem, por ora, o deputado estadual novato e correligionário Alexandre Xambinho. O terreno, porém, é cobiçado por muito mais gente com cacife eleitoral.

Bonde lotado II
O presidente estadual do PSDB e também deputado estadual Vandinho Leite é outro que sinaliza interesse na eleição municipal, fora a liderança de sempre, deputado federal Sérgio Vidigal (PDT). Sem falar no projeto do PRB, que considera colocar o campeão de votos à Câmara, Amaro Neto, tanto em Vitória como na Serra – a Capital, por enquanto, é a aposta mais alta do mercado.

Sem repeteco
Já sobre 2022, há quem cite o secretário especial do governo Jair Bolsonaro e ex-deputado federal Carlos Manato (PSL) novamente como um candidato ao páreo. Mas, embora tenha crescido no pleito passado, ele ainda é considerado um político de parlamento. A senadora Rose de Freitas (Pode), por sua vez, depois da “pancada eleitoral”, é considerada carta fora do baralho, ainda que ainda falte muito tempo para a sucessão. 

Trampolim
Na falta de Audifax, a expectativa, mesmo, é que possa surgir um nome entre os grupos que se movimentam hoje, inclusive como oposição a Casagrande. A delimitação de território em 2020 dirá muito sobre esses possíveis personagens. E como Casagrande chegará ao fim da atual gestão, também!

Na luta
A comunidade acadêmica do Estado fez bonito, em Vitória e no interior do Estado, no ato unificado desta quarta-feira (15) em favor da educação e contra os cortes anunciados pelo governo Jair Bolsonaro. Muita gente, muita força. Entrou para a história.

Cara a tapa
No atual momento do País, em que lutar pela educação virou motivo para ser bombardeado e xingado nas redes sociais, vale o registro dos únicos deputados estaduais (são 30 ao todo) que compareceram na manhã desta quarta, em uma das primeiras mobilizações do dia, em frente à Assembleia, para apoiar a iniciativa: Sergio Majeski (PSB), Janete de Sá (PMN), Iriny Lopes (PT) e Dr. Hércules (MDB).

Segue...
Já na principal parte da greve nacional no Estado, a passeata organizada pela Ufes e Ifes, somente Iriny foi vista, na concentração em Jucutuquara. Se alguém mais participou, que se manifeste!

Origem
Mas, no caso de Iriny, seria estranho se ela não fosse. A deputada, como no mandato passado, é ativa das ruas.

Zzzz...’
Voltando a Carlos Manato, ele usou suas redes sociais para desqualificar o protesto realizado pelo sindicato dos professores estaduais e municipais, sugerindo ligação com a recente visita ao Estado do presidenciável do PT, Fernando Haddad, segundo ele, “apoiada pela CUT e pelo governo do Estado”. Não tinha um argumento melhor, não? Esse já está pra lá de batido.⠀⠀⠀⠀⠀⠀

PENSAMENTO:
"Brasil, condenado à esperança". Millôr Fernandes

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • Elson da penha fernandes , quinta, 16 de maio de 2019

    Sinceramente eu não acredito que um site tenha colocado algo de Adolf Hitler, quero acreditar que seja piada.... Poderia ter colocado a frase até mesmo no nome do escritor da matéria, agora fazer menção a este ser, deve ser brincadeira. Eu não acredito que estou lendo isto.

Matérias Relacionadas

Comissão de Finanças já analisa projeto da LDO com aumento do déficit primário

O aumento do déficit primário na LDO segue a linha de cautela do governador Renato Casagrande

Defensoria entra na Justiça para reserva de cotas no concurso da Polícia Civil 

Uma ação civil pública foi protocolada na 1ª Vara da Fazenda para garantir cotas para negros  

Câmara da Serra ignora ponto facultativo de Audifax e prossegue com denúncia

Prefeito foi denunciado por supostos atos ilícitos, segundo parecer de área técnica do Tribunal de Contas

Defensoria Pública nomeia seis aprovados no último concurso realizado no Estado

Nomeações são para vagas em aberto; a cada 20 dias, um profissional desiste da carreira no Estado