MST ocupa área da Suzano (Fibria-Aracruz) em Pinheiros

Na luta pela reforma agrária, movimento quer que áreas de monocultivo de eucalipto produzam alimentos

A concentração de terras é diretamente relacionada à concentração de renda. A reforma agrária é apontada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) como uma estratégia para fomentar a justiça social. Como se sabe, o movimento não espera, faz acontecer. E a ocupação de terras tem sido um instrumento histórico para se fazer ouvir. Na madrugada desse sábado (19), cerca de 50 famílias sem terra afetadas pela fome e desemprego ocuparam uma nova área em Pinheiros, norte do Espírito Santo.

Se trata da área S 105, com 414 hectares, às margens da BR 101, onde a empresa Suzano (ex-Fibria e ex-Aracruz Celulose) fomenta o plantio de eucalipto em larga escala. Os impactos do monocultivo de eucalipto têm sido denunciados há décadas por movimentos sociais, políticos e ecológicos, por gerar concentração de terra e renda, esvaziamento do campo, danos ao solo, à água e ao equilíbrio natural, além de possíveis derrubadas de matas nativas e grilagem de terras envolvidas em processos para obtenção de terras.


Foto: MST-ES

"A Suzano, após fusão com a empresa Fibria, é responsável pela destruição de gigantes áreas de terras agricultáveis no Estado, expulsando milhares de famílias camponesas, quilombolas e indígenas. Produzem eucalipto para o mundo, concentrando riquezas e deixando a pobreza da população e degradação ambiental paras as regiões e para o nosso país", acusa o MST.

Em lugar disso, o movimento rural aponta para a necessidade de reforma agrária para distribuir terras que possam produzir alimentos saudáveis para a sociedade, reafirmando a necessidade da luta e organização dos trabalhadores para alcançar esse objetivo. Há mais de 30 anos enfrentam o modelo dos latifúndios de cana e eucalipto na região norte do Espírito Santo.

"A reforma agrária continua sendo a política pública necessária para resolução destes conflitos que só se resolvem com a distribuição das terras e o desenvolvimento socioeconômico das famílias. É necessário transformar áreas sem gente e sem trabalho em campos onde possamos produzir alimentos saudáveis, gerar trabalho, construir escolas e formar novas comunidades camponesas", pontua o movimento em nota pública sobre a nova ocupação, na qual as famílias começaram a se instalar e construir barracos para formar um acampamento, que pretendem que futuramente seja transformado num assentamento permanente para famílias camponesas.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Pescadores ocupam escritório da Fundação Renova em Aracruz

Sem receber auxílio pelo crime da Samarco/Vale-BHP, eles acampam no local desde segunda-feira

Mulheres realizam performance 'O estuprador é você' em Vitória

Apresentação criada por chilenas vem sendo reproduzida em vários países e ganhou versão capixaba

Promessa de auxílio do governo federal é enganação, diz pescador

Liderança do Estado, Nego da Pesca acredita que capixabas não receberão apoio por impactos do óleo

Círculo Palmarino realiza Acampamento da Juventude Negra

Atividade acontecerá em janeiro em São Mateus, com inscrições gratuitas e atividades políticas e culturais