Reação imediata

Aumento para defensores é “justo e necessário”, mas agrava tensões entre frente de policiais e Casagrande

Embora os policiais (militares, civis e bombeiros) reconheçam que é “mais do que justo e necessário” o aumento nos salários dos defensores públicos do Estado, a proposta encaminhada pelo executivo à Assembleia Legislativa de reajuste acirrou ainda mais as tensões entre a frente unificada e o governo Renato Casagrande. Em vídeo divulgado nas redes sociais nesta quinta-feira (6), o grupo repete o discurso incisivo para cima da gestão estadual, avisa de estratégias não só para a reunião da Comissão de Segurança da próxima segunda-feira (10), às 10 horas, mas também para o período de Carnaval, e convoca as categorias a se mobilizarem cada vez mais “na busca de um direito fundamental para a paz social do Estado”. Apelando desde o ano passado por uma mesa de negociação, e com uma minuta de projeto de recomposição salarial já entregue ao governo, a Frente reclama mais uma vez da ausência de qualquer diálogo, contrapartida ou sinalização à demanda, o que consolida uma “grave insatisfação”. O clima não deixa qualquer dúvida de que a reunião da Comissão colocará ainda mais fogo nessa bomba-relógio sempre prestes a explodir, com desdobramentos também em plenário e fora dele. Aliás, o que a frente quer dizer com “estratégia de Carnaval?”. 

Segue...
Assim como fez o governo no caso da Defensoria, os policiais reivindicam  recomposição de forma escalonada durante quatro anos, porém, em índice menor: 45%. A proposta dos defensores chega a 60% até 2022, como afirma a frente.

Degraus
Em números, significa que um defensor público substituto (primeiro nível) ganharia, em novembro deste ano um subsídio de R$ 12 mil; em novembro de 2021, R$ 14 mil; e em 2022, R$ 16 mil.

Nada, nada
Além da proposta para a Defensoria, o grupo considera como outro fator agravante a recomposição da salários para os militares, civis e bombeiros em outros estados do País – somente nesta semana “andaram” projetos do Distrito Federal e Minas Gerais e outros estão em negociação -, contrariando as sucessivas negativas de Casagrande.

Espaços
A Comissão de Segurança da Assembleia, onde serão recebidos os integrantes da frente e os próprios servidores, é presidida por Danilo Bahiense (PSL), de oposição, e tem também como membros efetivos os críticos ferozes do governo, Capitão Assumção (PSL) e Lorenzo Pazolini. Dois delegados e um militar. 

Espaços II
Por outro lado, o vice-presidente é o coronel Alexandre Coutinho, um dos nomes de destaque da greve da PM, mas aliado a Casagrande. Na lista de efetivos estão também o líder do governo, Freitas (PSB), Euclério Sampaio (sem partido), que é da PC e já criticou a reunião na imprensa, e ainda Marcelo Santos (PDT), Emílio Mameri (PSDB) e Luciano Machado (PV). 

Espaços III
Os três de cima serão presença garantida. No mais...a conferir!

Tabuleiro
Com o deputado federal Helder Salomão (PT) fora da disputa, lideranças de Cariacica zeraram o jogo das eleições a prefeito deste ano e estão em campo para demarcar o novo território. O deputado estadual Marcelo Santos (PDT), que até agora se diz candidato, matou vários coelhos de uma vez só na manhã desta quinta-feira (6). Olha o ciclo de reuniões...

Tabuleiro II
...Marcelo conversou com o presidente estadual do PT, vereador André Lopes, que também tem interesse na disputa; com o presidente estadual do Pros e ex-deputado estadual Sandro Locutor, outro nome lançado no mercado; com o ex-vereador Adilson Avelina (Podemos), marido da vice-governadora Jaqueline Moraes (PSB), ambos com reduto em Cariacica; e com os pré-candidatos declarados Dr. Motta (DC) e Dr. Helcio Couto (PP).

Circulando II
Quem também gastou sola de sapato nesta quinta foi o presidente da Câmara de Vitória, Cleber Felix (de saída do Prog para o DEM). Anunciou aliança com o Patriota e se reuniu com o deputado estadual Vandinho Leite e o ex-vice-governador César Colnago, ambos do PSDB, além de posar ao lado do deputado Hudson Leal (Republicanos), que garante disputar em Vila Velha.

PENSAMENTO:
“A moral é uma, os pecados são diferentes”. Machado de Assis

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • José Vieira dos Santos , sexta, 07 de fevereiro de 2020

    O problema do Casagrande é a sua militarfobia, uma doença que pegou de Paulo Hartung, que parece não ter cura. Investe demais na Comunicação, comandada por sua Marqueteira Flávia Mignoni, que desperdiça dinheiro público contratando blogs Fake News para falar mal do Carlos Manato, a única ameaça para 2022. Em contra partida despreza os policiais civis e militares, que elegeram vários deputados. Parece que Flávia não leu a teoria de Gramisci sobre forças regressivas e progressivas. O confronto com o poderoso grupo do Manato é rota de destruição mútua, que pode fortalecer o populista de Colatina, que já está polarizando com o Centroavante. Em breve vamos ver o fracasso dessa estratégia ridícula da filha bastarda de Bete Rodrigues a mãe dos marqueteiros capixaba. Jane Mery, pelo menos não é burra a esse ponto.

Matérias Relacionadas

Equilibrista

Casagrande anuncia reajuste para uma categoria, a outra reage. Defensoria, segurança e, agora, servidores

Assembleia Legislativa aprova revisão salarial para defensores públicos

Mudança na tabela de subsídios, demanda antiga da categoria, garante reajuste escalonado até 2022

‘Vem que tem’

De Casagrande para Bolsonaro, em mais um capítulo sobre os tributos dos combustíveis: “é blefe, factoide”

Projeto que aumenta salários de defensores públicos começa a tramitar na Ales

Proposta prevê aumento escalonado até 2022 para a categoria, que recebe o pior salário do País