A herança de PH

Com vitória de Bolsonaro, Carlos Manato ocupará hierarquia do espaço deixado por Hartung

O resultado da eleição presidencial neste domingo (28), inevitavelmente, terá influência na vida política do Espírito Santo, sobretudo, por existir um vazio político com a queda do atual governador Paulo Hartung. 

A meu ver, PH é fatalmente irrecuperável para o futuro político do Estado. Vive hoje na dependência do prefeito da Serra, Audifax Barcelos (Rede), para conseguir um espaço no partido dele. 

Assim, para o futuro, vejo duas situações que se delineiam: com a vitória eleitoral de Jair Bolsonaro (PSL), quem vai ocupar este espaço deixado por Hartung na hierarquia do futuro, isto é, logo abaixo governador eleito, Renato Casagrande (PSB), é Carlos Manato (PSL), que além de ser aliado de primeira hora de Bolsonaro, tem o cacife de ter chegado em segundo lugar na eleição ao governo.

Merece, aqui, um aprofundamento em relação ao Carlos Manato: inteligentemente, ele elegeu para substituí-lo na Câmara dos Deputados, a própria mulher, Soraya Manato (PSL), que ao contrário do que possa parecer, não é uma pessoa despolitizada. Além de médica, dizem que competente, é uma companheira inseparável do marido nos processos eleitorais. Conhece todo o seu eleitorado, tem intimidade com ele, e foi fácil conquistar este mandato.

O sucesso eleitoral de Manato, então, tem duas vertentes: elegeu a mulher e, neste momento, representa no Estado a presença de Bolsonaro. Tudo isto o elevou do andar de baixo da política capixaba para o andar de cima e, ao atingir esse patamar, passou a chutar a canela de muita gente por aí, geralmente chutes mal dados, mas nada que o divorcie de Bolsonaro,  muito pelo contrário.

Este resultado de Manato é travestido de sucesso, principalmente pelo fato de que o outro homem de Bolsonaro no Estado se deu muito mal na sua busca à reeleição ao Senado. Magno Malta não conseguiu um novo mandato, apesar de ter usado e abusado do nome de Bolsonaro na sua campanha.

Fecho o presente comentário voltando a citar PH, que entregou fácil, fácil, a rapadura a Casagrande, já que também entregou às feras figuras importantes do seu grupo político, como o deputado federal em fim de mandato, Lelo Coimbra (MDB), que apesar de ter tido uma ótima votação, não se reelegeu, pois o seu partido não fez coligação por obra e arte dos desejos de PH. 

Além de desistir da reeleição em cima da hora, Hartung se concentrou em pegar o helicóptero e sair por aí com o deputado estadual Erick Musso (PRB), atual presidente da Assembleia Legislativa, com o objetivo claro de ter a Casa em seu poder.

Logo Erick que elegeu-se com muita dificuldade e, neste momento, já faz novo caminho para seu futuro político, que é passar para o lado do governador eleito. PH só chutou para fora do gol e deu no que deu...

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Tropa PSL

Pré-candidatura em Cariacica e atos pró-Bolsonaro jogam nova luz sobre estratégia de Manato para 2020

Beco sem saída

Audifax: de principal concorrente de Casagrande, a cabo eleitoral de Bruno Lamas?

Sem sentido

Escolha para conselheiro do TCE registra duas surpresas e uma contradição, chamada Dr. Hércules

Pacote de Moro é considerado por ativistas 'panfletário e retrocesso'

Já governador Renato Casagrande, que participou da divulgação em Brasília, apoia as mudanças