Associações da PC repudiam afastamento de investigadores por delegado-geral

José Darcy Arruda usou um vídeo feito por funcionário dos Correios como base para determinar a punição

Um vídeo que viralizou nas redes sociais serviu de argumento para afastar dois investigadores da Polícia Civil que participaram de uma passeata nessa segunda-feira (25) na Avenida Reta da Penha, em Vitória, em protesto da Frente Unificada de Valorização Salarial dos Policiais Civis, Militares e Bombeiros. O afastamento, que passa a valer a partir desta quarta-feira (27), causou forte indignação das associações de classe dos policiais civis, sobretudo a dos investigadores, que soltaram uma nota de repúdio. 

Nas imagens, dois investigadores discutem com um servidor dos Correios, que estava retido após a passeata em uma moto. O próprio motoboy gravou a cena em que os servidores da Polícia Civil demonstram nervosismo. Enquanto alega-se possível abuso de autoridade, os policiais argumentam que quase foram atropelados. 

Na nota de repúdio, assinada pela Associação dos Investigadores de Polícia do Espírito Santo (Assinpol-ES) e pelo Sindicato dos Investigadores do Estado (Sinpol-ES), os policiais afirmam que a atitude do delegado-geral da Polícia Civil, José Darcy Arruda, foi precipitada e “contrária aos preceitos legais e constitucionais, que antes de estabelecer uma apuração isenta, técnica, equilibrada e pautada na busca pela verdade dos fatos, determinou a imediata instauração de Processo Administrativo Disciplinar com afastamento sumário das funções dos policiais civis”.

As entidades alegam que os servidores contiveram o motociclista que teria quase atropelado uma policial que caminhava na passeata organizada pela Frente. 

No documento, prosseguem: “Ao contrário da nota veiculada, na qual alega que tal afastamento sumário é para garantir 'transparência', a Chefia de Polícia age de forma parcial e desconsiderando outras provas testemunhais e, pior, sem analisar as repercussões negativas nas forças policiais de sua medida precipitada de pré-condenar os envolvidos… Deve-se perguntar à Chefia de Polícia como os policiais civis irão trabalhar com respaldo desta gestão, que neste caso atuou a reboque dos acontecimentos e repercussão midiática, preterindo a verdade dos fatos? Portanto, antes de se condenar os policiais com base em um vídeo que registrou uma parte do ocorrido,  é importante refletir sobre o que realmente ocorreu. Informamos que não deixaremos ambos policiais civis serem achincalhados como meio de agradar a clamores infundados e daremos todo apoio jurídico que precisarem”, concluem.

Manifestam apoio à nota o Sindicato dos Delegados de Polícia do Espírito Santo (Sindepes) e a Associação dos Delegados de Polícia do Espírito Santo (Adepol-ES), entidades que também estavam presentes ao ato.

Fontes da Polícia Civil, que preferiram o anonimato, disseram que com tal atitude, o delegado-geral da Polícia Civil, que já sofre críticas internas e externas pela sua gestão, terá sua relação ainda mais tensionada com a base da PC. Segundo os policiais, o que causou indignação é que em casos mais graves, que envolvem até indícios de crimes contra a administração pública, como corrupção, José Darcy Arruda não teve a mesma postura rígida de afastamento imediato das funções. A atitude também é encarada como represálias pelas manifestações que estão em curso e que pleiteiam reajuste salarial. 

Protesto

No momento da gravação do vídeo, agentes da Segurança Pública do Espírito Santo realizavam um protesto. A manifestação contou com ato em frente à Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Vitória e uma passeata pela Avenida Reta da Penha. Policiais civis, militares e integrantes do Corpo de Bombeiros iniciaram um ciclo de atos públicos até o governo do Estado oferecer uma oferta concreta de valorização salarial. 

Na semana passada, integrantes da Frente se reuniram com o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Espírito Santo, José Carlos Rizk Filho, que, por sua vez, se comprometeu em agendar um encontro com o governador Renato Casagrande (PSB) para intermediar e reforçar o pleito dos policiais. 

Utilizando dados do Tribunal de Contas do Estado (TCE), A Frente Unificada afirma que governo do Estado tem saúde financeira capaz de aproximar as remunerações dos agentes de segurança capixabas à média nacional. Os dados apresentados indicam que o Espírito Santo auferiu um superávit orçamentário de R$ 2,7 bilhões nos primeiros meses deste ano. 
 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • RONALDO CHAGAS , quarta, 27 de novembro de 2019

    Parabenizo Dr. Darcy pela atitude, em afastar a dupla de agressores. Foi uma vergonha para a gloriosa Policia Civil, que tem tantos serviços prestados a sociedade. No minimo a exoneração de ambos, pois não tem condições de exercer a atividade policial. Descontrole, falta de ética...ouvi atentante os audios divulgados nos grupos de What Sapp e Fecebook/cariacicatodeolho, chegando a conclusão, que os dois policiais, precisam de urgente tratamento médico.

Matérias Relacionadas

Frente unificada de policiais recebe apoio de deputados estaduais 

Policiais civil, militares e integrantes do Corpo de Bombeiros estão na luta por reajuste salarial

Delegados da Polícia Civil realizam protesto na Assembleia Legislativa

Ato por Valorização Salarial é uma reação ''à falta de medidas concretas do Governo sobre a recomposição''

Comissão de Finanças convoca chefe da PC para prestar esclarecimentos

Deputado Euclério Sampaio, presidente do colegiado, confirmou convocação, mas manteve motivo em sigilo

Frente de policiais realiza protesto no Palácio Anchieta por reajuste salarial

Em faixa, categoria alerta que Casagrande mantém política salarial equivocada e fora da realidade do País